CEDOC - Museu da Justiça

Contato: 41-3200-3614

Colaboração, Pesquisa e Edição de Texto: Ricardo Joaquim Marques.

Voltar

Des. Alceste Ribas de Macedo

 

 Des. Alceste Ribas de Macedo

 

Alceste Ribas de Macedo, filho de Flávio Azevedo Macedo e Francisca Ribas de Macedo, nasceu no dia 29 de outubro de 1914, na cidade de Curitiba (PR). Casou-se com a Sra. Nelly Ellender de Macedo, com quem teve três filhos.

Bacharelou-se pela Faculdade de Direito da Universidade Federal do Paraná, em 1939. Iniciou sua vida pública como promotor substituto de Araucária. Em 1940, ingressou na magistratura como juiz substituto em São João do Triunfo, Palmeira, São José dos Pinhais e Curitiba. Habilitado em concurso para juiz de direito, exerceu suas funções nas comarcas de Rio Negro, São Mateus do Sul, Ipiranga, Apucarana e Curitiba.

Liderou o grupo de juízes que fundou a Associação dos Juízes do Paraná, em 11 de agosto de 1957. Mais tarde, em 25 de setembro de 1962, a associação passou a ser chamada Amapar, Associação dos Magistrados do Paraná, como é conhecida até hoje. Foi nomeado desembargador do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná, em 16 de maio de 1962, razão pela qual pediu afastamento da presidência da Associação dos Magistrados do Paraná.

Eleito presidente do Tribunal de Justiça, exerceu o cargo, após duas reeleições, no período de 1969 a 1973. Sob sua gestão, deu-se a instalação do Tribunal de Alçada do Paraná, em 28 de setembro de 1970. Foi também durante sua gestão que se promoveu a ocupação e remodelação completa do Palácio da Justiça, adquiriu-se a valiosa pinacoteca, organizou-se o primeiro curso de preparação para ingresso na magistratura, instalou-se a Capela Ecumênica e criou-se um serviço médico para a magistratura, o qual antecedeu o judicemed.

Aposentou-se compulsoriamente por decreto do presidente da república em 30 de maio de 1973 e reverteu ao serviço ativo em outubro de 1980 ao cargo de desembargador, de acordo com a Lei número 6. 683/79 e Decreto número 84.143/79, vindo a reassumir em novembro de 1980, em sessão do Tribunal do Pleno.

Aposentou-se a pedido, em dezembro de 1984.

Faleceu em Curitiba, no dia 26 de janeiro de 2000.

É patrono do Fórum Eleitoral de Rio Negro.